Cena do filme "Retomada Yvyrupá". Foto: Cristina Ávila/Divulgação

16

ABR
HORÁRIOS Terça das 19h às 21h30min

Ecarta promove debate as retomadas indígenas no Estado

A Fundação Ecarta realiza nesta terça-feira (16/4), às 19h, um debate com a participação de caciques de aldeias do Estado e o lançamento do curta-metragem "Retomada Yvyrupá"

A Fundação Ecarta realiza nesta terça (16/4) o debate O Cenário Político dos Conflitos e das Retomadas Indígenas no RS, com a participação de caciques de aldeias do Estado gaúcho. Os caciques pretendem destacar a forma como estão vivendo e as expectativas dos mais de 2 mil índios que vivem em 27 acampamentos na beira de rodovias ou em áreas degradadas do Estado. Alguns acampamentos implantados há mais de 40 anos permanecem à espera de respostas às próprias reivindicações, com o movimento de retomada de territórios tradicionais.

A atividade começa às 19h com o lançamento do curta-metragem Retomada Yvyrupá, realizado pelos jornalistas Cristina Ávila, André Corrêa e Pablo Albarenga, sobre a vida na primeira Retomada Mbyá Guarani, a Yvyrupá, em Maquiné, no litoral gaúcho.

Os caciques ressaltam a importância sobre o Movimento Retomada, lançado há dois anos pelo povo Mbyá Guarani, que decidiu apressar a recuperação dos territórios tradicionais, considerados áreas ancestrais pelas quais seus próprios antepassados percorreram.

– Retomada tem a ver com o vínculo da relação dos índios e a terra, além da cosmovisão religiosa e da ligação do sagrado com o mundo atua –, explica Roberto Liebgott, do Cimi.

O mesmo caminho foi seguido pelos índios Kaingang. Já são sete as retomadas de terra no Rio Grande do Sul: Mbyá Guarani: Ponta do Arado, em Porto Alegre (Belém Novo) , Aquífero Guarani, em Viamão (RS 040) Yvyrupa, em Maquiné (área da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária – Fepagro), Pará Roke, em Rio Grande (distrito de Domingos Petroline), Terra de Areia, em Terra de Areia Kaingang: em Canela (Parque Nacional) e Carazinho (entre Carazinho e Passo Fundo).

O debate tem apoio do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e do Sindicato dos Professores do Ensino Privado (Sinpro/RS). As inscrições são gratuitas com vagas limitadas a 60 pessoas e devem ser realizadas neste link.

 

Programação

19h – Abertura 

19h15min – Exibição do curta Retomada Yvyrupá (6 minutos)
Projeto audiovisual realizado por três jornalistas – a gaúcha Cristina Ávila, o brasiliense André Corrêa e o uruguaio Pablo Albarenga

19h25min – Cenário político e o movimento retomada no Rio Grande do Sul
Apresentação: Santiago Franco, liderança Guarani, e Roberto Liebgott, do Cimi

19h40min – Com a palavra os caciques Jaime, da aldeia Cantagalo (Porto Alegre), Timóteo, da aldeia Ponta do Arado (Porto Alegre), Santiago Franco, da aldeia Tekoá Yvy Poty (Flor da Terra), de Pelotas, e integrante do Conselho de Articulação de Povo Guarani André Benites, da aldeia Tekoa Ka’aguy Porã (Mata Sagrada), de Maquiné 

20h30min – Bate-papo com o público

Terça das 19h às 21h30min

Fundação Ecarta (Avenida João pessoa, 943)

Entrada franca