Foto: Lucia Lopes/Eduardo Kraemer/Divulgação

12

MAR

13

MAR
HORÁRIOS Ter e qua às 20h

"Carrie, a Histérica" no Teatro Bruno Kiefer

Remontagem do texto escrito por Renato Del Campão, com colaboração de Zé Adão Barbosa, tem sessões nos dias 12 e 13 de março, às 20h, na Casa de Cultura Mario Quintana

O espetáculo Carrie, a Histérica será apresentado no Teatro Bruno Kiefer da Casa de Cultura Mario Quintana nos dias 12 e 13 de março, às 20h. Os ingressos devem ser adquiridos online ou na hora, no local.

A peça é a remontagem do texto escrito por Renato Del Campão, com colaboração de Zé Adão Barbosa, no final de 1987, e que ficou em cartaz até 1990 – exatamente o período de transição depois de três ditaduras militares. Em 1987, dois anos após o fim do comando do general Figueiredo, na transição para a democracia, com José Sarney.

Após anos de censura e repressão política no país, os atores Renato Del Campão e Zé Adão Barbosa reuniram-se no projeto de desconstruir uma adaptação do filme Carrie, a Estranha (1976), de Brian De Palma, inspirado em um original de Stephen King. Na peça, duas irmãs atrizes, Dalva (Del Campão) e Phedra Libânio (Zé Adão), de gerações diferentes e com estilos opostos – uma representa o teatro conservador e a outra o comercial –, divagam sobre os seus passados e prometem ao público uma adaptação de um filme de terror. O tempo passa e a promessa é adiada por intervenções não planejadas, transformando o que seria uma apresentação formal em um festival de risadas.

Transformismo, non sense, chanchada e suspense unidos em um só fôlego. Época das comédias ligeiras ou dos espetáculos com esquetes, o gênero recebeu o rótulo de besteirol, criado por um núcleo carioca e depois paulista, de onde surgiram nomes como Miguel Falabella, Guilherme Karam, Vicente Pereira, Miguel Magno, Ricardo Almeida, Felipe Pinheiro, Renato Kraemer e muitos outros.

Um mixto de crítica à banalização do mundo artístico, da alienação de seus intérpretes e da soberba instalada. Esse atraso da apresentação prometida, com depoimentos sobre o sensato e o insensato, tornam a peça um programa agradável e despretensioso.

Ter e qua às 20h

Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736)

R$ 20 (antecipado) ou R$ 30 (na hora)