Matinal assinantes

Calçado de Ruy Chaves. Foto: Ana Knevitz/Universidade Feevale/Divulgação

28

FEV

28

MAR
HORÁRIOS Seg a sex das 9h às 12h
13h30min às 18h30min
Sab das 9h às 12h

Exposição celebra pioneiros do design de calçados de Novo Hamburgo

A mostra "Legados e Memórias: Museu Nacional do Calçado" destaca o legado de Ruy Chaves, José Maria Carrasco Menna e Carlos Gilberto Simon

Três dos principais designers de calçados de Novo Hamburgo são celebrados na exposição Legados e Memórias: Museu Nacional do Calçado, que comemora os 20 anos de fundação da instituição e os 50 anos da Universidade Feevale.

A mostra, que tem curadoria de Ida Helena Thön, inaugura com um coquetel para convidados na noite desta quarta (27/2). No dia seguinte, a mostra abre para o público, apresentando peças que dimensionam o trabalho de Ruy Chaves, José Maria Carrasco Menna e Carlos Gilberto Simon.

O Museu Nacional do Calçado (MNC) conserva a memória da atividade coureiro-calçadista do país. Ida, que coordena o museu, explica que a mostra foi concebida para evidenciar por meio de calçados, fotografias e troféus a importância que o trio de criadores tem na história do setor coureiro-calçadista do Vale do Sinos. Ao mesmo tempo, o pioneirismo deles é associado ao da Feevale, que há meio século impactou os processos educacionais da região.

A história da produção de calçados na região remonta a 1797, quando Nicolau Becker instalou o primeiro curtume em Novo Hamburgo. Outro marco foi a criação por Pedro Adams Filho da primeira fábrica de calçados do Vale do Sinos, em 1898.

Na década de 1960, Chaves, Simon e Carrasco estabeleceram um novo patamar de qualidade e refinamento.

– Antes deles, só se produziam peças pretas e marrons, além de brancas para as noivas. Eles começaram a usar cores e materiais diferenciados – lembra Ida.

Chaves (1911 – 1998) foi o primeiro estilista de calçados de Novo Hamburgo, sua terra natal, e o “grande inovador”, nas palavras de Ida. Estabeleceu parâmetros inéditos de criatividade a partir da fábrica batizada com o nome dele.

Em sociedade com Pedro Adams Neto, ainda lançou outra fábrica, a Grande Gala. Não produzia em larga escala, pois seu foco era outro, mais refinado. Muito celebrado, primeiras-damas e artistas como Hebe Camargo escolhiam suas peças.

Carrasco (1924 – 2008), natural da Espanha, chegou ao Brasil com 28 anos e tornou-se um dos grandes nomes do design de calçados. Em 1954, passou a viver em Novo Hamburgo, em decorrência da expansão da indústria calçadista do Vale do Sinos.

Além da atividade criativa, prestou diversos serviços de assessoria em maquinários e inovou processos de fabricação. Em 1958, desenvolveu o primeiro calçado de plástico injetado do mundo. Também idealizou a primeira esteira industrial para produção de calçados do Brasil.

Simon (1942), natural de São Leopoldo, era um estilista com experiência internacional e se tornou grande incentivador da fundação do museu – tanto que foi a primeira pessoa a doar peças para o acervo da instituição. Sua trajetória começou em 1967, na empresa Czarina, da qual foi sócio e estilista.

Agendamento de grupos: (51) 3584-7101, gabrielaermel@feevale.br ou ida@feevale.br

Seg a sex das 9h às 12h, 13h30min às 18h30min, Sab das 9h às 12h

Universidade Feevale – Câmpus I (Avenida Maurício Cardoso, 510 – bairro Hamburgo Velho | Novo Hamburgo)

Entrada franca