Matinal assinantes

Berna Reale, Cantando na Chuva. Foto: Divulgação

04

DEZ

11

JAN
HORÁRIOS Pinacoteca Ruben Berta (Seg a Sex das 10h às 18h)
Paço Municipal (seg a sex das 9h às 12h e 13h30min às 17h30min)

"Lento Crepúsculo" reúne obras de 22 artistas

A mostra integra a programação do 5º Kino Beat e será inaugurada nesta terça (4/12), a partir das 18h30min, na Pinacoteca Ruben Berta. No dia 6 de dezembro, a segunda parte abre no Paço Municipal

VER GALERIA

Nesta terça (4/12), a partir das 18h30min, a Pinacoteca Ruben Berta abre suas portas para a exposição Lento Crepúsculo. Na quinta (6/12), o Paço Municipal inaugura a segunda parte da mostra, que integra a programação do 5º Kino Beat, reunindo obras de 22 artistas com curadoria de Chico Soll, Fernanda Medeiros e Gabriel Cevallos

Utilizando como ponto de partida o conceito de abundância, a exposição coletiva apresenta obras que abordam a dimensão do termo e que exploram os seus possíveis transbordamentos: de informações, de discursos, de crises, de sentimentos, e até mesmo o reflexo disso no meio-ambiente.

O Lento Crepúsculo foi como o escritor argentino Jorge Luis Borges (1899 – 1986) nomeou o seu longo processo de perda da visão. Em uma série de sete conferências realizadas em 1977 no Teatro Coliseu, em Buenos Aires, o autor usou a sétima conferência, La Ceguera, para falar de sua doença congênita. Borges foi perdendo a visão desde o momento em que nasceu, e ao longo de meio século de vida ficou cego de um olho e com a visão parcial do outro. Esse processo inexorável e gradual de cegueira ele nomeou de “lento crepúsculo”.

Integram a mostra 22 obras, entre fotografias, vídeos, livros de artista, obras gráficas e objetos, além de pinturas, que problematizam a questão da abundância no universo das artes visuais, assinadas por Aleta Valente, André Severo, Andressa Cantergiani, Berna Reale, Bill Maynard, Carlos Krauz, Carmela Gross, Coletivo Habitantes, Gisele Beiguelman, Guilherme Dable, Intransferível, Ivan Grilo, Letícia Lopes, Marion Velasco e Adauany Zimovski, Martin Heuser, Leopoldo Plentz, Nicolas Maigret, Regina Silveira, Romy Pocztaruk, Talita Menezes e Tyrell Spencer. A exposição conta com quatro obras do acervo das pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli e duas do acervo da Fundação Vera Chaves Barcelos.

Integram a seleção dos curadores as obras Cantando na chuva, de Berna Reale, Odiolândia, de Giselle Beiguelman -  criada em 2017 e onde reúne comentários publicados nas redes sociais sobre as ações da Prefeitura e do Governo do Estado de São Paulo na Cracolândia entre maio e junho daquele ano, e The Pirate Cinema, registro de performance de Nicolas Maigret, que torna a atividade e geografia escondida das transferências Peer-to-Peer visíveis. O projeto é apresentado como vídeo registro  de uma sala de monitoramento, onde são exibidas transferências Peer-to-Peer em tempo real em redes utilizando o protocolo BitTorrent.

O filme Cidades Fantasmas, de Tyrell Spencer, vencedor do Festival É Tudo Verdade em 2017, e a performance Neblina, de Marion Velasco e Adauany Zimoviski, são alguns dos destaques, assim como a obra inédita Luzia, de Letícia Lopes, criada especialmente para a exposição. A obra é composta de uma pintura e um poema do escritor português Herberto Helder (1930 – 2015).

Pinacoteca Ruben Berta (Seg a Sex das 10h às 18h), Paço Municipal (seg a sex das 9h às 12h e 13h30min às 17h30min)

Pinacoteca Ruben Berta (Rua Duque de Caxias, 973) e Paço Municipal (Praça Montevidéu, 10)

Entrada franca