11

MAI

25

MAI
HORÁRIOS Sexta às 16h e às 18h

Sextas de Seminários no Margs

Os encontros serão realizados em todas as sextas de maio, como parte da programação da 11ª Bienal do Mercosul

Durante todo o mês de maio, sempre às 16h e às 18h, rola no Margs as Sextas de Seminários. O evento, com entrada franca, integra a programação da 11ª Bienal do Mercosul e os debates seguem até a última sexta de maio (25/5).

 

Programação:

Sexta (11/5)

16h – Artes Negras: Criação, Estilos e Africanidade

Com mediação do jornalista Juarez Ribeiro, duas intelectuais e artistas negras baianas, Goli Guerreiro e Goya Lopes, apresentam e discutem os elementos constituintes das artes negras, marcas identitárias, caráter diaspórico e sua ligação profunda com os referenciais africanos.

18h – Quem Somos Nós? Em Busca dos Valores para Construir uma Nova Cultura (sobre o Triângulo Atlântico)

Com Samuel Plentz, publicitário e filósofo à maneira clássica, formado pela Organização Internacional Nova Acrópole. A palestra aborda o contexto da formação filosófica promovido há 60 anos por Nova Acrópole, em mais de 60 países, de forma exclusivamente voluntária. A instituição, baseada nos pilares da filosofia, cultura e voluntariado, procura trazer um momento de reflexão sobre nosso processo de constituição identitária e dos valores necessários para que possamos dar os próximos passos.

 

Sexta (18/5)

16h – Palavras de Mulheres Quilombolas Gaúchas

Com a mediação do antropólogo Iosvaldyr Carvalho Bittencourt Jr, duas reconhecidas lideranças femininas quilombolas falam das experiências coletivas de suas respectivas comunidades e do significado social, cultural, religioso e político do movimento quilombola no Brasil contemporâneo. Francisca Dias, da comunidade quilombola de Morro Alto, Rainha Ginga e atual presidenta da Associação Religiosa e Cultural Maçambique, de Osório, representa as comunidades quilombolas do Litoral Norte. E Maria Leci Vieira Vaqueiro, presidenta da Associação Quilombola de Ibicuí da Armada, representa as comunidades da Fronteira Sul do Estado.

18h – A Expressão Filosófica da Arte

A arte (do latim artis, saber fazer) é um modo de interpretar a natureza; saber é compreender. Por meio da arte podemos captar e representar as ideias. A arte, portanto, se traduz em uma ponte entre o visível e o invisível. Quanto mais perto estamos da compreensão do mundo e do contexto nos quais estamos inseridos, mais alcançamos o poder da representação. A palestra será ministrada por Juleandra Lima, formada em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professora de Filosofia à Maneira Clássica.

 

Sexta (25/5)

16h O Devir do Negro na África e na Diáspora

No dia 25 de maio, data reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como Dia Internacional da África, dois antropólogos de origem africana radicados no Brasil, Hippolyte Brice Sogbossi e José Carlos Gomes dos Anjos, falam sobre suas investigações, discutem as relações do Brasil com a África e opinam acerca da condição dos negros nos dois lados do Atlântico. A mediação é de José Rivair Macedo, coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos da UFRGS e da Rede Multidisciplinar de Estudos Africanos da UFRGS.

Sexta às 16h e às 18h

Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Praça da Alfândega, s/nº)

Entrada franca