Matinal assinantes

Cartaz. Foto: Spcine/Divulgação

Spcine Play prolonga gratuidade até o final de 2020

Plataforma pública de streaming da Prefeitura de São Paulo conta com diversos clássicos do cinema brasileiros, séries, shows e conteúdos exclusivos no catálogo

Spcine Play prolonga a gratuidade do seu catálogo até o final de 2020. A iniciativa faz parte das ações da Spcine em decorrência da pandemia da Covid –19 e possibilita que a população tenha acesso a conteúdos de qualidade durante este período de isolamento social.

São aproximadamente 230 títulos, entre filmes, séries, shows, talks e conteúdos exclusivos que podem ser acessados em qualquer lugar do Brasil. O catálogo traz obras de grandes cineastas brasileiras, como Tata Amaral, Lúcia Murat, Suzana Amaral e Helena Ignez.

Por lá, ainda dá para encontrar as principais produções de Hector Babenco, Zé do Caixão, Andrea Tonacci e Leon Hirszman e muitos outros nomes que marcaram a história do nosso cinema.  

A Spcine Play conta ainda com filmes das principais mostras e festivais de cinema de São Paulo, como o É tudo Verdade, o In-Edit e o ComKid . O conteúdo fica acessível simultaneamente aos eventos e segue disponível na plataforma.

 

Confira alguns destaques do catálogo:

Suzana Amaral - A Hora da Estrela e Uma Vida em Segredo e mais três títulos;

Lúcia Murat - Brava Gente Brasileira, Que bom te ver viva, Doces poderes, Quase dois irmãos e mais cinco títulos;

Helena Ignez – A miss e o dinossauro, Feio, eu?, Poder dos afetos e mais três títulos;

Hector Babenco -  Pixote – a lei dos mais fracos, Lúcio Flávio – o passageiro da agonia, O beijo da mulher aranha, Carandiru e mais quatro títulos;

Andrea Tonacci – Blablablá, Bang Bang, Serras da Desordem e mais três títulos;

Leon Hirszman – ABC da greve, S.Bernardo e vários curtas-metragens imperdíveis como Pedreira de São Diogo

Angela Davis - A Liberdade é uma Luta Constante – Conferência gravada no Auditório do Ibirapuera em outubro de 2019;

Bate-papo com Fernanda Montenegro - Prólogo, Ato, Epílogo – gravado no Theatro Municipal de São Paulo durante a primeira edição do Festival Mário de Andrade – A Virada do Livro