Matinal assinantes

Foto: Fernando Mello da Costa/Divulgação

Reconhecimento ao teatro gaúcho no Prêmio Shell de Teatro 2019

O cenógrafo Fernando Mello da Costa (in memoriam) foi um dos agraciados na 32ª edição do evento

O cenógrafo Fernando Mello da Costa (in memoriam) foi um dos agraciados da 32ª edição do Prêmio Shell de Teatro 2019. Fernando foi indicado na categoria “Cenário” por dois espetáculos: Solo e Maracanã. A cerimônia de divulgação dos contemplados aconteceu em formato especial, devido às restrições impostas pela pandemia da Covid-19.

Fernando Mello da Costa nasceu em Pelotas, em 1950. Aos 12 anos teve as primeiras experiências no teatro amador, sendo a mais marcante a montagem pelo Grupo de Teatro dos Gatos Pelados da ópera popular Bira e Conceição, em 1967. Em 1971, começou a carreira profissional como ator, iluminador e aderecista. Participou, em Pelotas, entre 1972 e 1975, do Grupo Girassol - um dos grupos da vanguarda do teatro gaúcho de então, em montagens como A tragicomédia de Don Cristóvão e a Senhorita Rosita, de Garcia Lorca, e Os reis, de Júlio Cortazar.

Fernando imprimiu sua marca nos palcos e colaborou intensamente para que o hiper-realismo se instalasse no espaço cênico. No Rio de Janeiro, onde vivia, fundou, junto com Guti Fraga, o grupo de teatro Nós do Morro, na comunidade do Vidigal. Lá manteve uma oficina de cenografia e foi diretor de espetáculos.

O Prêmio Shell de Teatro foi criado em 1988, para contemplar, anualmente, os artistas e espetáculos de melhor desempenho nas temporadas teatrais do Rio de Janeiro e de São Paulo.

 

Confira a 32ª edição do Prêmio Shell de Teatro 2019: