Matinal assinantes

Foto: Imagem Filmes/Divulgação

"A Luz no Fim do Mundo" mostra o mundo devastado por uma pandemia

Escrito, dirigido e estrelado por Casey Affleck, o filme disponível on demand na plataforma Now acompanha um pai e sua filha tentando sobreviver juntos depois que um vírus dizimou a população feminina

Ator cuja carreira até pouco tempo atrás era subestimada, Casey Affleck já provou que é bem mais do que apenas o irmão mais novo do astro Ben Affleck. Vencedor do Globo de Ouro e do Oscar por sua atuação em Manchester à Beira-Mar (2016), filme também dirigido por ele, Casey chamara a atenção antes graças a seus papéis em títulos como O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford (2007) e Medo da Verdade (2007) – que tem direção de seu irmão Affleck. O novo longa escrito, dirigido e estrelado por Casey é A Luz no Fim do Mundo (2019), estreado no ano passado. A produção, disponível on demand no Brasil na plataforma Now, ganhou uma inesperada atualidade agora em 2020: na história, uma pandemia dizimou praticamente todas as mulheres do planeta, deixando aos homens a tarefa de manter a vida e reconstruir de alguma maneira a sociedade.

Em A Luz no Fim do Mundo, Casey interpreta um homem que vive escondido nas florestas com a filha pré-adolescente Rag (Anna Pniowsky). Fortemente ligados um com o outro, os dois mudam constantemente de acampamento, procurando locais seguros e casas desocupadas para passar as noites e evitando o contato com outras pessoas. Logo o motivo desse esquivamento é explicado: por meio de diálogos e flashbacks, o enredo revela que um vírus exterminou a quase totalidade da população feminina do mundo há cerca de uma década, incluindo a mãe de Rag – vivida pela atriz Elisabeth Moss, protagonista de outra produção distópica, a série de sucesso O Conto da Aia. Para proteger a menina, o pai – cujo nome nunca é revelado no filme – obriga Rag a vestir-se como garoto, mantendo-a o mais escondida possível dos olhos daqueles com quem topam no meio do caminho.

A longa sequência de abertura de A Luz no Fim do Mundo é uma das mais bonitas do filme, repetindo-se com variações durante a trama e apresentando ao espectador a profunda e complexa relação entre os protagonistas: deitados lado a lado dentro de uma barraca à noite, o pai improvisa uma história de ninar, sendo interrompido pela filha com perguntas às vezes banais, outras existenciais – lembrando-nos que criar uma criança é uma responsabilidade gigantesca, complexa e bela, qualquer que seja a circunstância. Casey Affleck dá consistência a seu personagem sem nome, espécie de “pai da horda primeva” sem a brutalidade autocentrada da figura descrita por Freud em Totem e Tabu: a defesa de seu clã, do qual restou apenas a filha, ainda que moldada por violência e paranoia, é feita de cuidado, carinho, diálogo e tentativa de compreensão. Já a jovem Anna Pniowsky comove com seu talento interpretativo, alternando-se entre a autoconfiança e a vulnerabilidade, a curiosidade e a raiva com desenvoltura impressionante.

Ainda que tenha momentos tensos e até violentos, A Luz no Fim do Mundo não é um filme-catástrofe: o ritmo mais ralentado da narrativa é próprio do drama familiar – mesmo que o clima pós-apocalíptico e suas terríveis consequências estejam sempre presentes em cena. O maior mérito de A Luz no Fim do Mundo está justamente em sua capacidade de fazer com que a moldura trágica e escatológica da história possa ser entendida também como uma hipérbole das ameaças e dificuldades corriqueiras da nossa vida cotidiana, com ou sem pandemia. Apartados do convívio social, pai e filha contam apenas com eles próprios para lidar com as implicações específicas desse tipo de ligação familiar, qualquer que seja a circunstância – a necessidade de proteção e sua rejeição, o despertar da puberdade, a ausência materna, o amor paterno incondicional, a afirmação das individualidades, as diferenças de gênero. A Luz no Fim do Mundo ressalta com sensibilidade que a missão de cuidar e educar a prole e a passagem da infância para o mundo adulto são desafios tão incontornáveis e definidores quanto o enfrentamento de um vírus mortal.

 

A Luz no Fim do Mundo: * * * * 

 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

 

Assista ao trailer de A Luz no Fim do Mundo: