Matinal assinantes

O maestro Linus Lerner regendo a Orquestra Sinfônica de Gramado (OSG) no concerto de abertura. Foto: Rafael Cavalli/Divulgação

A música erudita esquenta a Serra

Até sábado (15/2), o 6º Gramado in Concert oferece uma agenda gratuita de 55 atividades – incluindo concertos de orquestras, grupos de câmara e solistas –, além de oficinas com cerca de 400 alunos

Nos últimos tempos, o verão no Interior não é mais apenas sinônimo de férias e temperaturas altas: a boa música de concerto tem esquentado a programação em pelo menos duas cidades gaúchas, enfrentando a modorra cultural característica deste período do ano. Em 31 de janeiro, Pelotas encerrou com sucesso mais um Festival Internacional Sesc de Música, contabilizando em sua 10ª edição mais de 60 apresentações, assistidas por cerca de 30 mil pessoas em 12 dias. Já na sexta-feira passada (7/2), teve início o 6º Gramado in Concert com uma apresentação prestigiada por um público superior a 800 espectadores. O auditório do Expogramado ficou lotado para o concerto de abertura com a Orquestra Sinfônica de Gramado (OSG), regida pelo maestro Linus Lerner, que teve a participação de professores virtuosos do festival como solistas – entre eles, o violonista brasileiro Daniel Wolff, o violinista sul-coreano Edwin Soo Kim, a soprano mexicana Liliana del Conde e os búlgaros Ivo Stankov (violino) e Lachezar Stankov (piano). Até sábado (15/2), a cidade serrana terá recebido uma agenda totalmente gratuita de 55 atividades – incluindo concertos de orquestras, grupos de câmara e solistas –, além de oficinas com cerca de 400 alunos do Brasil e da América Latina.

O festival gramadense vem crescendo a cada ano – e a internacionalização é um dos pontos altos desta sexta edição, com 10 professores estrangeiros vindos de países da América Latina e da Europa e dos Estados Unidos, além de 22 brasileiros. A programação do primeiro final de semana contou com apresentações em diversos locais de Gramado: no sábado (8/2), por exemplo, o violonista Laerte Hugentobler apresentou-se às margens do Lago Negro, enquanto a Camerata de Cordas da Universidade Federal do Ceará tocou na Praça das Etnias e a Orquestra Antunes Câmara (SP), na Rua Coberta; já no domingo (9/2), os destaques foram o Concerto de Música Antiga – Barroco Vivo na Igreja do Relógio, o Trio Haylli (Peru) na Rua Coberta e a Seoul Metropolitan Youth Orchestra (Coreia do Sul) no Hotel Serra Azul. A excelência dos convidados internacionais do 6º Gramado in Concert pode ser resumida em duas atrações que fizeram apresentações excepcionais no segundo dia do evento: o Duo Stankov e a Tallinn Old Town Music School String Orchestra.

No final da tarde de sábado, os irmãos Stankov, vindos da Bulgária, deram um concerto impecável com peças para violino e piano de Haydn, Beethoven – cujos 250 anos de nascimento estão sendo comemorados pelo festival –, Massenet e Manuel de Falla. À noite, foi a vez da orquestra da Estônia brilhar: regidos pelo jovem maestro Rasmus Puur, os estudantes interpretaram um programa integrado exclusivamente por obras de compositores de seu país – muitos por certo executados pela primeira vez no Brasil. À exceção do célebre Arvo Pärt, de quem foi interpretado o tema Silouan’s Song, o repertório reuniu autores quase desconhecidos por aqui: tanto nomes históricos como Heino Eller – que foi professor de Arvo – e Artur Lemba quanto contemporâneos do tipo Erkki-Sven Tüür, Tõnu Kõrvits e Pärt Uusberg. Um concerto inesquecível não apenas pela rara oportunidade escutar ao vivo a obra desses músicos – boa parte deles influenciados pelo estilo grave e meditativo do mestre asceta Arvo Pärt –, mas também pelo prazer de testemunhar a performance perfeita de um conjunto de jovens instrumentistas de altíssimo nível técnico, que deu conta de um repertório denso e exigente.

Diretor artístico do 6º Gramado in Concert, o maestro Linus Lerner mostrou-se empolgado com o potencial do festival, anunciando com orgulho que a Orquestra Sinfônica de Gramado fará neste ano sua primeira turnê internacional. Agendada para junho, a excursão sob o comando do regente contará com 44 músicos e duas solistas – a pianista Olinda Allessandrini, que também responde pela Coordenação de Música de Câmara do festival, e a soprano Débora Faustino. O grupo desembarcará em Portugal para duas apresentações, seguindo depois para Espanha, França e Itália. Nas partituras, a OSG levará para o Velho Mundo música brasileira de qualidade: o Uirapuru e algumas Bachianas de Villa-Lobos, a abertura da ópera Fosca – o compositor Carlos Gomes foi tema do doutorado de Linus Lerner – e a Nazarethiana de Marlos Nobre.

Se por um lado os Concertos Itinerantes são uma das ações positivas do evento, espalhando-se pelas ruas e praças da cidade e promovendo apresentações no interior do município e da região, por outro os recitais em espaços fechados, que não foram feitos para abrigar música, denunciam a necessidade urgente de um teatro – um equipamento cultural, aliás, que Gramado merece há muito tempo. Allan John Lino, secretário da Cultura da cidade, acenou com uma boa nova: a Feevale está finalizando o estudo de um teatro para 1,5 mil lugares, cuja construção deve se iniciar ainda neste ano, por meio de uma Parceria Público-Privada. Assinado pelo arquiteto Marcelo Ferraz, o projeto de cerca de R$ 2,5 milhões será doado pela universidade a Gramado. Já o prédio deverá custar em torno de R$ 35 milhões e será erguido em um terreno cedido pela prefeitura no Expogramado, contando ainda com salas de aula, biblioteca e cafeteria. Segundo Allan – fundador da Orquestra Sinfônica de Gramado –, com a economia que seria feita em montagem de estruturas temporárias hoje necessárias para o festival e outros eventos na cidade, o teatro estaria pago em cerca de 10 anos, sem considerar o valor que pode agregar abrigando peças e espetáculos que atualmente Gramado não tem como receber.

– Não é um projeto simples, porque além de todas as questões arquitetônicas próprias de um teatro, como tamanho de palco, altura e acústica, há questões estruturais da obra, como solo, plano diretor da cidade e infraestrutura – ressalta o secretário.

Planejado para aproveitar o período de baixa temporada na Serra – o que inclui entre as vantagens uma maior disponibilidade de vagas na rede hoteleira para abrigar alunos, professores e músicos –, o Gramado in Concert segue o êxito do festival de Pelotas, tornando-se mais um polo atrativo com luz própria no calendário do verão gaúcho. Tomara que esta sexta edição do evento ajude a sensibilizar ainda mais autoridades, empresários e visitantes com relação ao potencial turístico da arte e da cultura – para além da valorização das belezas naturais, da gastronomia e da estrutura de lazer e estadia, que a serra gaúcha já sabe explorar até demais.

 

Assista a um vídeo do concerto de abertura do 6º Gramado in Concert com a Orquestra Sinfônica de Gramado:

 

Assista a um vídeo do concerto de abertura do 6º Gramado in Concert com a Orquestra Sinfônica de Gramado:

 

Assista a um vídeo do concerto de abertura do 6º Gramado in Concert com a soprano mexicana Liliana del Conde cantando a ária da Rainha da Noite da ópera A Flauta Mágica, de Mozart, com a Orquestra Sinfônica de Gramado:

 

Assista a um vídeo do Duo Stankov tocando a Dança Espanhola da ópera A Vida É Breve, de Manuel de Falla:

 

Assista a um vídeo da Tallinn Old Town Music School String Orchestra tocando a composição Silouan’s Song, de Arvo Pärt: