"Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia" estreia nos cinemas

Longa da diretora Teona Strugar Mitevska fez sua estreia mundial no último Festival de Berlim e estreia no circuito nacional dia 26 de dezembro

Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia, da diretora Teona Strugar Mitevska, estreia em circuito comercial no Brasil em 26 de dezembro. O filme fez sua estreia mundial na competição oficial do último Festival de Berlim, participou da 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e Festival do Rio.

Todos os anos, em 19 de janeiro, há um ritual tradicional para comemorar o feriado da Epifania (batismo de Cristo) nas regiões Cristãs Ortodoxas do Leste Europeu. Uma cruz de madeira é arremessada no rio e quem for capaz de pegá-la, terá boa sorte e prosperidade garantidas para o ano. Em 2014, na cidade de Stip, Macedônia, uma mulher pegou essa cruz. O problema? Apenas homens poderiam participar do rito. Foi então que surgiu a concepção de Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia

– Tentaram tirar a cruz dela, mas ela não cedeu. No dia seguinte, deu uma entrevista à rádio local encorajando mais mulheres a mergulharem atrás da cruz nos anos seguintes. Ela foi rotulada pela população como uma mulher louca e problemática. Para mim e minha produtora Labina Mitevska essas reações expõem o reflexo natural de um conformismo social; elas também revelam a misoginia que é sustentada pelas normas patriarcais profundamente encrustadas em nossa sociedade. Isso foi frustrante e enlouquecedor. A história de Petúnia surgiu dessa frustração – conta a diretora.

Na trama, Petúnia age como a mulher da história real de 2014: mergulha no rio e agarra a cruz. E logo que sai da água já é atacada pelos homens que não a reconhecem como a vencedora do ritual. Ela tem que enfrentar a revolta da cidade, as acusações da polícia por ter infringido uma regra e a igreja que exige a cruz de volta, afinal nunca na história uma mulher havia agarrado o objeto – nem ao menos tentado. 

Teona explica que “Petúnia é um símbolo de modernidade, lutando contra não apenas uma, mas duas instituições: a Igreja e o Estado”, porém apesar de ser impotente diante de ambas, ela felizmente tem na educação uma tábua de salvação. “Eu não tenho a solução sobre como balancear tradição e modernidade e nem qual seria o espaço para a tradição no futuro, mas o que eu questiono é como a tradição pode ser modulada para tratar as mulheres de uma maneira mais igualitária?”. 

Outra forte personagem feminina em Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia é a jornalista Slavica, interpretada pela também produtora do filme Labina Mitevska. A diretora conta que antes de ser cineasta foi jornalista e que era chamada de bruxa, arrogante e puta. “Ainda atualmente é muito difícil ser uma mulher forte nos Balcãs, se você é, imediatamente é percebida como agressiva. Com a personagem da jornalista, minha ideia principal foi de solidariedade, irmandade entre as duas mulheres, Petúnia e ela”.

– Todas as sociedades patriarcais são construídas para dar suporte à dominação masculina, onde o local da mulher e seu status são decididos pelo homem. Então, sempre que uma história é sobre uma mulher ou gira em torno do chamado ‘segundo sexo’, é inevitavelmente uma obra feminista. Para mim, é difícil imaginar ser uma mulher e não ser feminista. O feminismo não é uma doença ou algo a temer. Igualdade, justiça e equidade para todos é o que rege essa ideologia – finaliza.  

 

Confira o trailer de Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia: