Capa. Foto: Divulgação

17

NOV
HORÁRIOS Dom a partir das 14h30min

Libretos lança “As Flores do Mal de Baudelaire"

Com tradução e notas do poeta Eduardo Guimaraens, a obra tem sessão de autógrafos e debate neste domingo (17/11) na Feira do Livro

As flores do mal, de Baudelaire (Libretos, 200 páginas) tem lançamento na 65ª Feira do Livro de Porto Alegre neste domingo (17/11). Às 14h30min ocorre o painel Traduzir é transcriar (O desafio de do tradutor-poeta Eduardo Guimaraens em As flores do Mal, de Baudelaire) com a organizadora Maria Etelvina Guimaraens e o poeta e tradutor Armindo Trevisan, na Sala Noé de Freitas Mello no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo. Às 15h30min haverá sessão de autógrafos na Praça Central.

No período de 1917 a 1921, Eduardo Guimaraens trabalhou na tradução de poemas de Les fleurs du mal, um marco da poesia moderna e simbolista, do qual selecionou 69 dos que integraram a edição de 1861, três dos seis censurados em 1857 e onze que foram incluídos em edições póstumas do livro de Charles Baudelaire. Eduardo finalizou seu livro em 1927.

Passados quase cem anos, Maria Etelvina Guimaraens – neta de Eduardo e organizadora de seu acervo – encontrou um volume atado com cordão de seda preto, juntamente com livros franceses do avô (Les Tragédies, de Sophocles, Sagesse, de Verlaine, L’Art de Auguste Rodin).

– Sabíamos que Eduardo tinha traduzido As flores do mal, mas até então o material não havia sido localizado. Esse volume possui capa manuscrita na letra de Eduardo, no formato 17cm x 22cm, é datilografado e contém o Prefácio, os poemas e as Notas do tradutor. Traz, também, uma página listando as obras publicadas por Eduardo, orientações quanto à inclusão do clichê e do retrato (instruções manuscritas), espaço para o ex-libris, tudo à semelhança de outras publicações e de manuscritos constantes do acervo da família – explica Maria, organizadora da obra.

Ao publicar Eduardo Guimaraens, a editora Libretos adotou os princípios de não interferir na sua obra e seguir suas orientações. Desta forma, foram procedidas somente as necessárias atualizações ortográficas, sem modernização do vocabulário. Para auxiliar o leitor a ingressar na atmosfera de Baudelaire e de Eduardo, ao término do livro, foi inserido um glossário.

 

Dom a partir das 14h30min

Centro Cultural CEE Erico Verissimo (Rua dos Andradas, 1223 – Centro Histórico) e 65ª Feira do Livro de Porto Alegre (Praça da Alfândega, s/n)

Entrada franca