Matinal assinantes

Após 19 anos longe dos palcos, a banda Raiz de Pedra se reencontrou em um show histórico. Foto: André Feltes/Divulgação

Poa Jazz Festival conecta o público e artistas de diferentes regiões em duas noites de música

Mais de 2 mil pessoas conferiram as apresentações de nomes internacionais vindos da Holanda, França e Estados Unidos e também de grandes destaques da cena instrumental nacional e local

VER GALERIA

Durante as últimas duas noites, o Centro de Eventos do BarraShoppingSul recebeu uma verdadeira maratona de música instrumental, com os oito shows promovidos pelo Poa Jazz Festival 2019. Em sua quinta edição, o evento reuniu mais de duas mil pessoas que conferiram apresentações de nomes internacionais vindos da Holanda, França e Estados Unidos e também de grandes artistas da cena instrumental nacional e local.

Apresentado pelo jornalista Lucio Brancato, o festival iniciou na sexta-feira com uma homenagem ao jornalista, escritor, pesquisador e crítico musical Juarez Fonseca por sua brilhante e incansável trajetória nas diversas áreas em que atua. Logo em seguida, o pianista Cristian Sperandir e seu quinteto subiram ao palco, abrindo a rodada de shows com uma emocionante homenagem a Geraldo Flach. A noite seguiu com o jazz europeu do Jasper Blom Quartet, a música instrumental animada e cheia de brasilidade do jovem septeto Silibrina, e encerrou com um reencontro histórico do grupo Raiz de Pedra, que se apresentou com sua formação original após um hiato de 19 anos.
 
No sábado, a abertura do festival ficou por conta do Sexteto Gaúcho, que apresentou sua música autoral, com canções do recém-lançado álbum Bicho Solto, além de grandes sucessos do choro brasileiro, como a música Ternura, do compositor e arranjador K-Ximbinho. Em seguida, jazz e hip hop se uniram no palco em uma junção inédita do grupo Rafuagi com os músicos da banda Quarto Sensorial.

A noite seguiu com longos aplausos à cantora francesa Cyrille Aimée e ao violonista brasileiro Diego Figueiredo pela interpretação de clássicos como a canção La Vie en Rose e o bolero Sabor a Mi. Fechando as apresentações da quinta edição, a banda americana Davina & The Vagabonds animou o público com um show divertido e cheio de personalidade, sendo o grande sucesso do festival neste ano.

– O grande destaque desse ano foi a presença do público, que compareceu em massa nos dois dias, e claro, os shows. É difícil se ter em um festival shows com uma qualidade muito próxima, mas os grupos que se apresentaram tiveram um desempenho fantástico – aponta Carlos Branco, que assina a curadoria e produção do festival ao lado de Carlos Badia e Rafael Rhoden.

Além das duas noites de música, o Poa Jazz Festival 2019 também tem promovido, desde a última quarta (6/11), diversas atividades paralelas em diferentes pontos da cidade, como o lançamento do filme Zuza Homem de Jazz, em sessão comentada pelo crítico musical Zuza Homem de Mello, e uma série de ações formativas gratuitas, como masterclasses para músicos, além de debates e palestras sobre temas culturais.
 
A última atividade do festival neste ano ocorre nesta segunda (11/11) com uma roda de conversa sobre políticas culturais e os diferentes caminhos para apresentar propostas para governos e organizações privadas. O encontro será mediado por Carlos Badia e terá participação dos produtores Ana Fagundes, Evandro Soares, Luciano Balen, Rafa Rafuagi e Camila Sequeira, além de André da Rosa Pereira, executivo financeiro da Dufrio, e a visão da empresa sobre investimentos em patrocínios e apoios culturais. A atividade inicial às 19h, no Centro Cultural da UFRGS, com entrada franca.