"A Dama de Branco", de Arthur Timótheo da Costa. Foto: Divulgação

“A Dama de Branco” ganha releitura de Maurício de Sousa

Uma das mais afamadas obras do acervo do Margs, do artista carioca Arthur Timótheo da Costa (1882 – 1922), também está em exibição no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro

VER GALERIA

A pintura A Dama de Branco (1906) é um das mais conhecidas e queridas obras do acervo artístico do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Margs). De autoria do artista carioca Arthur Timótheo da Costa (1882 – 1922), o óleo sobre tela chama atenção pelo tratamento realista do retrato de uma mulher vestida de branco, reforçado pela sua execução em amplas dimensões (191,8 x 95,5cm).

Pois agora a afamada obra do Margs está em destaque nacional: enquanto é tema de releitura por Maurício de Sousa em exposição sobre a Turma da Mônica em São Paulo, A Dama de Branco está em exibição no Rio de Janeiro em um importante museu do Brasil.

Em cartaz até 15 de dezembro, no Centro Cultural Fiesp, em São Paulo, a exposição Olá, Maurício! homenageia os 60 anos das história e dos personagens da Turma da Mônica, criados por Maurício de Sousa exatamente em 1959. Entre os destaques da mostra estão releituras de obras de arte, sendo uma delas A Dama de Branco, do Margs.

Na versão de Maurício de Sousa, a dama é retratada tendo como modelo a Mônica Jovem, elegantemente trajada de vermelho, com um quadro de Cebolinha ao fundo, sob o título A Jovem de Vermelho, em acrílico sobre tela (130 x 64,5cm). A releitura integra a coleção História em Quadrões, que leva aos leitores e fãs da Turma da Mônica versões de importantes obras de arte, com o objetivo de disseminar a popularização da história da arte para as crianças e os jovens por meio das histórias em quadrinhos.

Paralelamente à exposição em São Paulo com a releitura de A Dama de Branco, a pintura original do Margs pode ser vista no momento no Museu Nacional de
Belas Artes
(MNBA), no Rio de Janeiro. A obra foi emprestada temporariamente para integrar a exposição Entre o Acervo e o Estúdio, que a artista gaúcha Marilice Corona apresenta até 1º de dezembro no MNBA.

Outras três obras do Margs integram a exposição: Interior (s.d.), de Edson Motta, Inca (s.d.), de Fernando Corona, e Em Jogo – Retrato de Tatiana (2015), da própria Marilice Corona.

 

Serviço

Exposição Olá, Mauricio!
Curadoria de Jacqueline Mouradian
Local: Espaço de Exposições do Centro Cultural Fiesp (Avenida Paulista, 1313 (em frente à estação Trianon-Masp do Metrô))
Período: 17 de julho a 15 de dezembro de 2019
Visitação: terça a sábado, das 10h às 22h, e domingos, das 10h às 20h
Classificação indicativa: livre
Agendamentos escolares e de grupos: ccfagendamentos@sesisp.org.br
Entrada gratuita

Exposição Entre o acervo e o estúdio, de Marilice Corona
Local: Museu Nacional de Belas Artes (Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia, Rio de Janeiro)
Período: 1º de setembro até 1º de dezembro de 2019
Visitação: de terça a sexta, das 10h às 18h, sábados, domingos e feriados, das
13h às 18h
Entrada: R$ 8 (inteira) | R$ 4 (meia) | Família (para até quatro membros de uma
mesma família): R$ 8.
Venda de ingressos e entrada de visitantes até 30 minutos antes do fechamento do museu. Entrada gratuita aos domingos