Cena do filme “A Música da Minha Vida”. Foto: Warner Bros./Divulgação

A revelação de Bruce Springsteen

As canções do roqueiro norte-americano são a inspiração do envolvente filme “A Música da Minha Vida”

Se cinebiografias musicais como as recentes Bohemian Rhapsody (2018) e Rocketman (2019) podem tanto já nascer consagradas ou renegadas pelos fãs dos artistas retratados – uma legião geralmente muito ciosa quanto à representação de seus ídolos –, filmes que apenas se inspiram e homenageiam a obra de grandes músicos e bandas costumam contar com uma adesão popular mais incondicional. É o caso, por exemplo, de Mamma Mia! (2008) e, neste ano, de Yesterday (2019) e A Música da Minha Vida (2019) – este último filme, em cartaz no país desde o dia 19 de setembro. Baseado no livro de memórias Greetings from Bury Park: Race, Religion and Rock N' Roll, do jornalista de origem paquistanesa Sarfraz Manzoor, A Música da Minha Vida conta a história de um adolescente que mora em uma cidadezinha britânica no final dos anos 1980, que inesperadamente encontra tradução para suas ambições de transcender a vida insatisfatória e limitada nas músicas de um roqueiro norte-americano: Bruce Springsteen.

A diretora Gurinder Chadha volta no filme a temas recorrentes em sua filmografia, como busca de identidade, dores de amadurecimento e conflitos culturais – presentes em títulos como Driblando o Destino (2002), comédia dramática estrelada por Keira Knightley, sobre uma garota britânica de origem indiana que desafia os pais conservadores com sua paixão por jogar futebol. Em A Música da Minha Vida, o adolescente Javed (Viveik Kalra), filho de paquistaneses, vive os dramas característicos da idade e comuns a levas de garotos do passado e do presente: o sentimento de incompreensão e isolamento, a falta de traquejo com as meninas, o bullying dos colegas de escola babacas, as incertezas quanto ao futuro. Soma-se ao kit usual da sofrência juvenil de Javed agravantes como o fato de crescer na provinciana cidade inglesa de Luton na era Thatcher, em meio a uma crise econômica que abate em especial a classe trabalhadora, e enfrentar diariamente a xenofobia na rua e a rigidez do pai dentro de casa, que conduz a família de forma estrita às tradições paquistanesas.

Javed quer ser poeta e escreve letras para a banda tecnopop de um amigo vizinho. Mas em 1987, no ambiente provinciano e proletário em que circula o protagonista, a cultura jovem está dominada por música feita com sintetizadores, cortes de cabelo esquisitos e roupas coloridas com ombreiras – não há espaço para as angústias de um rapaz sonhador de pele escura e ascendência asiática. Um novo mundo, no entanto, literalmente se abre para Javed quando um colega de escola lhe passa um par de fitas cassete – alguém aí se lembra disso? – com discos do começo da carreira de Bruce Springsteen, de meados dos anos 1970. Depois de vencer o descrédito inicial – na época, “The Boss” já não mandava mais da mesma forma nas paradas de sucesso e era considerado ultrapassado pela nova geração –, o personagem decide escutar as fitas. Acontece então a epifania: as canções sobre perdedores em busca de uma segunda chance e apaixonados desesperados para fugir de suas rotinas medíocres deixam Javed “cego pela luz” – Blinded by the Light, faixa que abre Greetings from Asbury Park, N. J. (1973), disco de estreia de Springsteen, é o título original de A Música da Minha Vida, infinitamente mais apropriado do que nome do filme no Brasil. Incendiado pela música do cantor e compositor ianque e incentivado pela professora de literatura (Hayley Atwell), que reconhece nos poemas do aluno uma autêntica voz criativa, Javed vai tentar tomar as rédeas de seu destino, abordar a garota que gosta (Kit Reeve) e confrontar o autoritário e conservador pai (Kulvinder Ghir).

A Música da Minha Vida não escapa totalmente à fórmula da história de superação de corte motivacional, na linha do “nunca desista dos seus sonhos”. O roteiro e a direção, entretanto, contornam essa armadilha imprimindo ao filme um tom legítimo de entusiasmo, frescor e indignação juvenis – muito por conta da seleção de contagiantes pérolas da inconformidade escritas por Springsteen, mas principalmente graças à envolvente e sincera atuação do estreante Viveik Kalra, que anima Javed com fogo adolescente e torna o personagem apaixonante. As aproximações entre o destino de Javed e a vida e a obra de Bruce Springsteen também são um acerto de A Música da Minha Vida – como se pode verificar no trecho a seguir, retirado de Born to Run, excelente autobiografia de Springsteen publicada no Brasil em 2016 pela editora Leya, na qual “O Chefão” fala de sua conturbada relação com o pai, um homem sombrio e alcoólatra, com tendências depressivas, com quem convivia na suburbana cidade norte-americana de Nova Jersey: “Honramos os nossos pais ao não aceitar como finais e determinadas as características mais perturbadoras da nossa relação. Decidi que, entre mim e meu pai, a soma dos nossos problemas não seria o resumo da vida que passamos juntos".

 

A Música da Minha Vida: * * * *

 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

 

Confira o trailer de A Música da Minha Vida: