Observatório de Censura à Arte divulga relatório inicial

Iniciativa pretende mapear casos de cancelamento, vandalismo ou interrupção de obras artísticas no país

Foi lançado, nesta terça (10/9), o Observatório de Censura à Arte, iniciativa jornalística que pretende mapear casos ocorridos no Brasil desde o episódio do Queermuseu, escolhido pelo projeto como marco pela repercussão emblemática. O lançamento também marca dois anos do cancelamento da mostra, que ocorreu em 10 de setembro de 2017.

Ao todo, 29 casos foram coletados inicialmente no relato, que será alimentado caso novos episódios ocorram. Para a coleta, foram usados critérios do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da USP, que define a censura como "um ato que visa alterar, modificar, silenciar, interditar manifestações de produção simbólica – livros, revistas, charges, encenações teatrais, músicas, danças, pintura, desenho, notícias, conteúdos digitais, games." 

A iniciativa é uma realização do veículo de jornalismo cultural Nonada  Jornalismo Travessia, em parceria com a Riobaldo Conteúdo Cultural na execução. O relatório tem como fontes notícias locais ou nacionais, além de relatos enviados à redação do Nonada.

Os 29 episódios, com ocorrências em todas as regiões do país, tiveram sua veracidade checada antes da publicação. São Paulo e Rio Grande do Sul foram os Estados com maior número de casos de censura, com cinco casos em cada Estado, seguidos por Rio de Janeiro e Minas Gerais, com três casos. Entre as justificativas dos censores para a retirada ou cancelamento das obras e eventos, destacam-se a presença de nudez e críticas ao governo federal.

 

O Observatório segue recebendo relatos pelo e-mail nonada@nonada.com.br.

 

Sobre o Nonada

Veículo de jornalismo cultural com sede em Porto Alegre/RS. Desde 2010, procura relacionar as diversas formas de expressão artística com temas relativos aos direitos humanos. Recebeu prêmios como Agente Jovem da Cultura, do ministério da Cultura, Menção Honrosa no Prêmio Ari de Jornalismo e, em 2017, foi finalista do Prêmio Ages na Categoria Imprensa. Integra a lista de veículos recomendados pelo Mapa da Agência Pública de Jornalismo Independente.