Curta-metragem trata do afeto entre cães e moradores de rua

As filmagens do documentário começam neste mês e o financiamento coletivo pretende reverter parte dos recursos para entrevistados

VER GALERIA

Está em produção o documentário O Afeto e a Rua, dirigido por Thiago Köche (Manifesto Porongos), que aborda a relação entre pessoas em situação de rua que vivem com cachorros em Porto Alegre. Independente e sem recursos públicos, um financiamento coletivo foi lançado na última quarta (4/9). Parte dos valores arrecadados serão revertidos para os entrevistados.

Algumas pessoas a serem entrevistadas já foram selecionadas em diferentes bairros da Capital. Um dos moradores cuida de mais de 20 cachorros que estavam abandonados.

– Nossa ideia é dar protagonismo às pessoas em situação de rua, cidadãos que muitas vezes são invisibilizados pela sociedade. Ao mesmo tempo, também visamos sensibilizar as pessoas para a adoção de animais – ressalta Köche.

A educadora social Veridiana Machado destaca a importância da produção do documentário:

- Esse projeto pode demonstrar de forma muito bacana o quanto essa relação é importante e como essas pessoas conseguem cuidar de seus cães. Isso vai contra o pensamento recorrente da maioria das pessoas, que acredita que os animais não estão sendo bem cuidados.

Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil tinha em 2015 mais de 100 mil pessoas em situação de rua. Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que existem cerca de 30 milhões de animais abandonados no país. Dessa forma, o projeto O Afeto e a Rua visa debater esses dois temas.

Conforme a Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc), aproximadamente 4 mil pessoas estão em situação de rua. Os dados são baseados em atendimentos das equipes de abordagem social. Já movimentos sociais de luta por moradia estimam que esse número possa ser ainda maior em Porto Alegre.

Diferentemente da maioria dos financiamentos coletivos, a proposta de recompensas do projeto O Afeto e a Rua pretende reverter parcela dos recursos obtidos em apoio às pessoas e aos animais que aparecerão no curta-metragem.

– Perguntaremos a essas pessoas o que elas precisam. Imaginamos demandas como colchões, cobertas, barracas ou roupas. Além disso, os cachorros ganharão roupinhas para o frio e uma revisão veterinária. Com isso, visamos não apenas dar vez e voz às pessoas em situação de rua, mas também ajudá-las de alguma forma. E claro, a nossa esperança é que alguém as veja e queira, eventualmente, dar um trabalho ou mesmo um lar digno – sublinha a produtora Karen Lose.

O financiamento coletivo para realizar o filme será realizado através do site Catarse. Para obter mais informações sobre o projeto, acesse a fanpage do curta.