Glauco Rodrigues, Glênio Bianchetti, Carlos Scliar e Danúbio Gonçalves. Foto: Divulgação

10

AGO
HORÁRIOS Sábado 16h

Grupo de Bagé ganha exposição na Fundação Iberê Camargo

A mostra será inaugurada no dia 30 de novembro. Neste sábado (10/8), às 16h, será exibido o documentário "Grupo de Bagé", de Zeca Brito

A Fundação Iberê vai homenagear o Grupo de Bagé com uma exposição a partir de 30 de novembro. De agosto até a abertura da mostra, serão realizadas diversas atividades gratuitas sobre a história de um dos grupos artísticos relevantes do país, formado por quatro jovens que tinham a necessidade de expressar seus traços e pensamentos sobre o mundo e a própria vida: Carlos Scliar, Danúbio Gonçalves, Glauco Rodrigues e Glênio Bianchetti.

Neste sábado (10/8), será exibido o documentário Grupo de Bagé, de Zeca Brito, seguido de bate-papo com o diretor e o cineasta e historiador da arte Giordano Gio. O longa-metragem destaca a trajetória e o legado dos pintores e gravadores gaúchos Carlos Scliar (1920–2001), Danúbio Gonçalves (1925–2019), Glauco Rodrigues (1929–2004) e Glênio Bianchetti (1928–2014), nomes de frente de um movimento artístico surgido nos anos 1940 que alcançou projeção nacional com trabalhos abordando temáticas realistas e de denúncia social.

O documentário conta com depoimentos de teóricos como Néstor García Canclini e Nicolas Bourriaud e de artistas plásticos que incluem Anico Herskovits e Cildo Meireles, entre outros, que investigam a trajetória do grupo.

Buscamos recuperar e compreender os elementos que estabeleceram as condições para que os jovens artistas alcançassem uma identidade estética própria e, cada um a sua maneira, conduzissem os ideais e as características artísticas e políticas do grupo que criaram  destaca o diretor.

Sábado 16h

Fundação Iberê Camargo (Avenida Padre Cacique, 2000)

Entrada franca