Matinal assinantes

Sem título. Foto: Divulgação

07

AGO

24

NOV
HORÁRIOS Ter a dom das 10h às 19h

Margs homenageia o centenário de Francisco Stockinger

A programação se inicia nesta quarta-feira (7/8), com a abertura da mostra “Stockinger 100 Anos”, reunindo mais de cem obras do artista

A programação do Margs se inicia nesta quarta (7/8), com a abertura de uma ampla e extensa exposição em homenagem ao centenário de nascimento de Francisco Stockinger (1919 – 2009). Ocupando as três galerias das Pinacotecas, o espaço mais nobre do museu, Stockinger 100 Anos reúne mais de cem obras, procedentes do acervo do Margs e de coleções públicas e privadas.

Na terça (6/8), o museu receberá a imprensa para uma visita mediada nas Pinacotecas antes da abertura da exposição, conduzida pelo diretor-curador Francisco Dalcol e pela curadora-assistente Fernanda Medeiros. A seleção aborda as diferentes fases do artista que, com seus Guerreiros e Gabirus, esculturas em pedra e figuras femininas, é reconhecido como um dos mais importantes representantes da escultura no Brasil, também aclamado ainda em vida como um dos mais consolidados referenciais da arte produzida no Rio Grande do Sul.

A abertura da exposição se dá exatamente no dia de nascimento de Stockinger. Além do centenário de nascimento, o ano de 2019 também registra uma década de sua morte.

Nascido em Traun, na Áustria, em 1919, Francisco Alexandre Stockinger criou-se em São Paulo e iniciou-se na escultura no Rio de Janeiro, com Bruno Giorgi. Conviveu com personagens fundamentais na fixação da arte moderna no Brasil: Di Cavalcanti, Milton Dacosta, Maria Leontina e Iberê Camargo. Transferiu-se para Porto Alegre nos anos 1950, onde seria um dos fundadores do Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre e, duas vezes, diretor do Margs.

Depois de ter construído obra importante em xilogravura, ganhou projeção nacional com seus guerreiros em ferro e madeira, que costumam ser associados com a resistência à ditadura militar. Xico foi antes aviador, meteorologista e diagramador. Também colecionou cactos – e foi responsável pela identificação de pelo menos duas novas espécies.

A exposição permanece aberta ao público até dia 24 de novembro, com entrada franca.

Ter a dom das 10h às 19h

Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Praça da Alfândega, s/nº)

Entrada franca