Fundação Iberê Camargo divulga selecionados no edital para exposições

Projetos "Náufragos na Correnteza do Tempo", de Denise Gadelha, e "Avesso", de Andressa Cantergiani e Maurício Ianês, foram escolhidos para serem exibidos na instituição

Fundação Iberê Camargo revelou na semana passada os selecionados no edital para a realização de exposições temporárias da instituição, cujas inscrições se encerraram no dia 15 de fevereiro. Foram escolhidos os projetos Náufragos na Correnteza do Tempo, de Denise Gadelha, e Avesso, de Andressa Cantergiani Maurício Ianês.

O edital recebeu 57 inscrições (27 homologadas), de artistas de nove Estados brasileiros e três nacionalidades. A seleção dos projetos envolveu a Comissão Técnica da Fundação Iberê Camargo e teve decisão do Júri Convidado, composto pela curadora, crítica e pesquisadora em artes visuais Gabriela Motta e pelo artista visual Luiz Roque.

Segundo Bernardo José de Souza, diretor artístico da fundação, a comissão julgadora levou em conta a profundidade conceitual dos projetos apresentados, a contemporaneidade do discurso, a excelência formal e a coerência entre a proposta e os currículos dos artistas integrantes.

– O objetivo do edital foi oferecer aos artistas e curadores brasileiros e estrangeiros residentes no país uma alternativa para o desenvolvimento de suas atividades, e garantir uma programação mais diversa e dinâmica à fundação, alinhada à sua atual postura de maior diálogo com a comunidade artística – acrescentou Souza.

As duas propostas selecionadas serão exibidas ainda em 2018 – sendo uma ainda neste semestre e a outra no segundo semestre do ano –, com duração entre cinco e oito semanas cada uma. Os selecionados também receberão R$ 10 mil para custeio de despesas de execução.

 

Os projetos

Náufragos na Correnteza do Tempo, de Denise Gadelha

A exposição é uma série de trabalhos desenvolvidos a partir de fotografias que foram atingidas por um drástico vazamento de água ocorrido no antigo atelier da artista, em Porto Alegre. O espaço ficou fechado por três meses, criando em seu interior um microclima que afetou as superfícies das obras de Gadelha. O que normalmente seria considerado como uma trágica decomposição, é tomado pela artista como transmutação. 

Avesso, de Andressa Cantergiani e Maurício Ianês

O projeto é uma ocupação performática do prédio da Fundação Iberê Camargo, buscando tornar visíveis as estruturas físicas e humanas do espaço. Contando com a presença dos artistas aos finais de semana, a ação-instalação terá com a participação do público, propondo um questionamento de como as relações são criadas dentro de um espaço artístico.